Cibereal, Lda. - Vender Casa, Comprar ou Arrendar com Serviços Imobiliários Profissionais


Ora então mudem lá a Baixa de Lisboa!

O projecto de alterações previsto para a "baixa" de Lisboa da autoria da vereadora Maria José Nogueira Pinto, aguarda aprovação na Câmara Municipal de Lisboa e o início da sua discussão pública e veredicto do Ministério do Ambiente, antes de poder ser acordado com o governo quanto ao modelo de financiamento.

Pretende-se com esta intervenção mudar a face da sala de visitas da capital, o seu centro pombalino, onde passam por ano 1 milhão de turistas por entre lojas semi-abandonadas que têm estado à espera de um trespasse salvador, cada vez mais nebuloso agora que foi aprovada uma nova lei para o arrendamento.

A degradação desta zona, onde o Chiado e a Rua Augusta fazem figura de excepção à baixa qualidade do comércio, começou antes do grande incêndio que assolou o Chiado em 1988, que acelerou e fez cair abruptamente o movimento geral, tanto comercial mas de profissionais liberais que procuraram outras paragens.

Procura-se uma reactivação saudável da zona com estas alterações, aumentando a melhoria de qualidade do comércio, mediante novas unidades hoteleiras de luxo, criação de um centro de escritórios na Estação do Rossio, reactivação do antigo mercado da Praça da Figueira, estabelecimento de um centro comercial ao ar livre entre as ruas da Vitória e de S. Nicolau, a par da mesclagem com novo público jovem e de classe média que venham a habitar em imóveis recuperados. O acesso ao castelo de S.Jorge mediante uma passagem por cima do casario ligando ao Chiado, é uma das componentes mais arrojadas, e capazes de fazer inverter a tendência para o marasmo que assolou o local, onde dizem "ser o único centro de capital europeia em que o comércio fecha ao sábado e domingo". 

A obra se aprovada, irá desenvolver-se entre os anos de 2007 e 2020, com um investimento de 1.145 milhões de euros, repartidos por estado, câmara e privados, estendendo-se também ao Terreiro do Paço onde outro hotel de luxo crescerá onde está hoje o Ministério da Justiça, ocupando-se as galerias com esplanadas e lojas, o que fará crescer o movimento pedonal que também contará com novo atractivo, o miradouro do Arco da Rua Augusta, a ser aberto futuramento ao público.

Outra das inovações previstas passa pelo fecho da Rua das Naus ao trânsito com a eliminação dos parques automóveis existentes, criando um espaço verde na zona de cerca de 30 hectares, ficando a descoberto a zona seca no perímetro do antigo Ministério da Marinha.